top of page

Usando Linux no ambiente corporativo


Sistemas Linux no ambiente corporativo

O Linux foi criado por Linus Torvalds, um estudante finlandês, em 1991. Linus estava interessado em criar um sistema operacional similar ao Unix, mas que fosse gratuito e de código aberto. Ele começou a desenvolver o kernel do Linux, que é o núcleo do sistema operacional, e o disponibilizou publicamente para que outros colaboradores pudessem contribuir.


O nome "Linux" é uma combinação do nome de Linus com a palavra "Unix". Inicialmente, o Linux era apenas o kernel, e os componentes adicionais como bibliotecas, utilitários e interfaces gráficas eram fornecidos por outros projetos e distribuições, como o GNU (GNU's Not Unix) desenvolvido por Richard Stallman.


A popularidade do Linux cresceu rapidamente devido à sua natureza de código aberto, o que significa que qualquer pessoa pode acessar, modificar e distribuir o código-fonte do sistema operacional. Essa abordagem atraiu uma comunidade de desenvolvedores que contribuíram com melhorias, correções de bugs e novos recursos ao longo do tempo.


Atualmente, existem muitas distribuições Linux disponíveis, como Ubuntu, Fedora, Debian, CentOS, entre outras. Cada distribuição oferece uma combinação específica de componentes, ferramentas e interfaces gráficas, mas todas elas compartilham o kernel do Linux como base.


Quais as principais distribuições Linux?


Existem muitas distribuições Linux disponíveis, cada uma com suas características e foco específico. Aqui estão algumas das principais distribuições Linux:


  • Ubuntu: Uma das distribuições mais populares, conhecida por sua facilidade de uso e foco na experiência do usuário. É baseada no Debian e possui versões de desktop e servidor.


  • Debian: Uma distribuição estável e robusta, conhecida por seu compromisso com o software livre e sua ampla seleção de pacotes. É uma base para muitas outras distribuições, incluindo o Ubuntu.


  • Fedora: Patrocinada pela Red Hat, é uma distribuição voltada para usuários avançados e entusiastas, oferecendo uma combinação de software atualizado e recursos experimentais. Também é usada como base para o desenvolvimento do Red Hat Enterprise Linux (RHEL).


  • CentOS: Baseado no código-fonte do Red Hat Enterprise Linux (RHEL), o CentOS é uma distribuição de código aberto focada em estabilidade e segurança, sendo amplamente utilizada em servidores.


  • Arch Linux: Uma distribuição leve e flexível, direcionada para usuários avançados que preferem personalizar seu sistema operacional. Possui uma abordagem "rollin-release", onde os pacotes são atualizados continuamente.


  • openSUSE: Uma distribuição estável e amigável, que oferece opções de desktops como KDE Plasma e GNOME. É conhecida por sua configuração fácil e ferramentas de gerenciamento de pacotes.


  • CentOS Stream: Uma nova distribuição criada a partir do CentOS, oferecendo um ambiente mais próximo das atualizações em tempo real, destinada a desenvolvedores e usuários que desejam testar as versões mais recentes.


Essas são apenas algumas das principais distribuições Linux disponíveis. Cada uma delas possui comunidades ativas de usuários e desenvolvedores, além de recursos específicos e objetivos diferentes, para atender às diversas necessidades dos usuários.



Vantagens de usar sistemas Linux no ambiente corporativo


Existem várias vantagens em usar sistemas Linux no ambiente corporativo. Aqui estão algumas delas:


1. Custo: O Linux é um sistema operacional de código aberto e gratuito, o que significa que as empresas podem economizar em licenças de software. Além disso, a maioria das distribuições Linux inclui uma ampla gama de aplicativos e ferramentas gratuitas, o que reduz ainda mais os custos de software.


2. Segurança: O Linux é conhecido por sua segurança robusta. Como é um sistema de código aberto, milhares de desenvolvedores em todo o mundo estão constantemente revisando e aprimorando o código, tornando-o mais resistente a ameaças de segurança. Além disso, os privilégios de acesso e controle de permissões no Linux são geralmente mais granulares, o que ajuda a evitar violações de segurança.


3. Estabilidade e desempenho: Os sistemas Linux são conhecidos por sua estabilidade e confiabilidade. Eles podem operar por longos períodos de tempo sem a necessidade de reinicialização, o que é especialmente importante em ambientes corporativos onde a disponibilidade contínua é essencial. Além disso, o Linux é geralmente mais eficiente em termos de recursos do sistema, o que resulta em um melhor desempenho, especialmente em hardware mais antigo ou menos poderoso.


4. Flexibilidade e personalização: O Linux oferece uma ampla variedade de distribuições e opções de personalização. As empresas podem escolher uma distribuição que melhor atenda às suas necessidades específicas e personalizá-la de acordo com seus requisitos. Isso permite que as empresas tenham um ambiente de trabalho sob medida, otimizado para suas operações e fluxos de trabalho.


5. Compatibilidade e interoperabilidade: O Linux é compatível com uma ampla gama de hardware, o que proporciona flexibilidade para as empresas escolherem o equipamento que melhor atende às suas necessidades e orçamentos. Além disso, o Linux suporta uma ampla variedade de formatos de arquivo e protocolos de rede, permitindo uma maior interoperabilidade entre diferentes sistemas e aplicativos.


6. Comunidade e suporte: O Linux tem uma comunidade de usuários e desenvolvedores muito ativa e engajada. Isso significa que há uma ampla gama de recursos online, fóruns de discussão e documentação disponíveis para ajudar as empresas a solucionar problemas e obter suporte técnico quando necessário. Além disso, muitas empresas oferecem suporte comercial para distribuições Linux, fornecendo assistência profissional quando necessário.


É importante considerar que cada empresa é única e pode ter requisitos específicos que podem influenciar a escolha do sistema operacional mais adequado.


Qual a distribuição Linux mais voltada ao usuário final, habituado a usar Windows?


Uma das distribuições Linux mais voltadas para usuários finais que estão familiarizados com o Windows é o Ubuntu. O Ubuntu é conhecido por sua facilidade de uso e experiência amigável ao usuário. Possui uma interface gráfica intuitiva e recursos que facilitam a transição para usuários acostumados com o Windows.


O Ubuntu oferece uma versão de desktop chamada Ubuntu Desktop, que é projetada para uso em computadores pessoais. Ela inclui uma seleção de aplicativos populares, como navegadores da web, suítes de escritório, players de mídia e muito mais. O ambiente de desktop padrão do Ubuntu é o GNOME, mas também há variantes como o Kubuntu (com o ambiente de desktop KDE Plasma) e o Xubuntu (com o ambiente de desktop Xfce), que oferecem opções de interface alternativas.


O Ubuntu possui uma ampla comunidade de usuários e uma vasta base de conhecimento online, o que facilita a obtenção de suporte e solução de problemas. Além disso, a Canonical, a empresa por trás do Ubuntu, fornece um ciclo de lançamento regular com suporte de longo prazo (LTS), garantindo atualizações e correções de segurança por vários anos.


Embora o Ubuntu seja uma ótima opção para usuários iniciantes e familiarizados com o Windows, vale ressaltar que outras distribuições, como Linux Mint e Zorin OS, também são conhecidas por sua facilidade de uso e transição suave para usuários do Windows. É sempre recomendável experimentar diferentes distribuições e ver qual se adapta melhor às suas preferências e necessidades específicas.


É possível executar programas nativamente criados para Windows no Linux?


No Linux, existem várias formas de executar aplicativos desenvolvidos para o Windows. Aqui estão algumas opções populares:


  • Wine: Wine é uma camada de compatibilidade que permite executar aplicativos do Windows no Linux. Ele traduz as chamadas de sistema do Windows para o Linux, permitindo que os programas do Windows sejam executados nativamente. O Wine possui uma vasta base de dados de compatibilidade, onde você pode verificar quais aplicativos são suportados.


  • PlayOnLinux: PlayOnLinux é uma interface gráfica para o Wine, projetada para facilitar a instalação e o gerenciamento de aplicativos do Windows no Linux. Ele oferece scripts de instalação pré-configurados para vários aplicativos populares, facilitando a configuração e o uso desses aplicativos.


  • CrossOver: CrossOver é uma versão comercial do Wine, fornecida pela CodeWeavers. Ele oferece suporte e recursos adicionais, além de uma interface gráfica amigável. O CrossOver é voltado para usuários que desejam uma solução mais fácil de usar e suporte técnico profissional.


  • Virtualização: Uma outra opção é executar uma máquina virtual com o Windows instalado dentro do Linux. Isso permite que você execute aplicativos do Windows em uma instância virtualizada do sistema operacional. Softwares como VirtualBox, VMware e QEMU são populares para esse propósito.


  • Alternativas nativas: Muitos aplicativos populares do Windows têm equivalentes nativos para Linux. Por exemplo, em vez do Microsoft Office, você pode usar o LibreOffice ou o OnlyOffice. Em vez do Adobe Photoshop, você pode usar o GIMP ou o Krita. Pesquisar por alternativas nativas no Linux pode ajudar a encontrar soluções equivalentes.


É importante notar que nem todos os aplicativos do Windows funcionarão perfeitamente no Linux usando essas soluções. A compatibilidade pode variar dependendo do aplicativo e da versão do Wine. É recomendável verificar a compatibilidade de um aplicativo específico antes de tentar executá-lo no Linux.

Comentarios


Artigos por categoria

Receba nossa newsletter

Agradecemos sua inscrição!

Promoção Bitdefender
Licenças Microsoft
Simples IP VoIP
bottom of page